corona crise

Selecione a página

@docencianegra

View this post on Instagram

"Quando eu era pequeno eu queria ser chofer de caminhão. Porque é o caminhão que levava as coisas e as pessoas pra Itapeipu. Então o caminhão era o veículo, era o meu caminho para conhecer o mundo. E aí, eu fico pensando que essa é uma viagem que muitos dos nossos jovens não fizeram, essa que eu fiz vindo de lá [Sertão da Bahia] pra cá [Belo Horizonte], e não têm perspectiva. Não tem uma saída… (…) Uma juventude, não vou dizer que é perdida, porque não é, mas sem âncora. Âncora não, porque sertanejo não pode falar em âncora né… sem um caminhão." O Professor Tomaz nos contou lindas histórias naquela tarde de sol em que tivemos o imenso prazer de aprender com ele sobre sua vida. O caminhão, o qual nos disse em diferentes momentos ficou muito marcante para nós, um objeto facilmente associado a ele e que ele mesmo se associou. O caminhão para ele era além de um veículo, sua aspiração de ser chofer de caminhão nos aparentava ser mais que guiar um automóvel. Ser caminhão é ser ponte, ser caminhão é ligar seu povo ao mundo, era levar vida à sua gente e aos seus. Essa metáfora do caminhão pareceu estar sempre viva no Professor Tomaz, durante a entrevista víamos e sentíamos o carinho que ele conduzia suas histórias, com a sensibilidade de querer contar por confiar no que estávamos fazendo; parecia uma confiança em ver um caminhão chegar sem saber quem vinha dentro ou quais coisas trazia ele, mas sabia que era uma chance para o novo, uma oportunidade de se construir pontes. Em um momento que vemos meninos mimados do poder derrubarem conquistas que o povo preto construiu desde muito tempo (como o ex-ministro da educação ao revogar a MP que instituía a obrigatoriedade de cotas na pós-graduação), a notícia do falecimento do Professor Tomaz nos tomou de intensa dor. Professor Tomaz, tenha certeza que seremos ponte. Tenha certeza de que continuaremos levando seus ensinamentos daquela tarde de conversa por muito tempo e que sua voz ecoará enquanto caminho para nós. Somos gratos!!! Áudio-lembrança em nosso IGTV Foto por: @reiseovento

A post shared by Docência Negra (@docencianegra) on

 

Quando eu era pequeno eu queria ser chofer de caminhão. Porque é o caminhão que levava as coisas e as pessoas pra Itapeipu. Então o caminhão era o veículo, era o meu caminho para conhecer o mundo. E aí, eu fico pensando que essa é uma viagem que muitos dos nossos jovens não fizeram, essa que eu fiz vindo de lá [Sertão da Bahia] pra cá [Belo Horizonte], e não têm perspectiva. Não tem uma saída… (…) Uma juventude, não vou dizer que é perdida, porque não é, mas sem âncora. Âncora não, porque sertanejo não pode falar em âncora né… sem um caminhão.” O Professor Tomaz nos contou lindas histórias naquela tarde de sol em que tivemos o imenso prazer de aprender com ele sobre sua vida. O caminhão, o qual nos disse em diferentes momentos ficou muito marcante para nós, um objeto facilmente associado a ele e que ele mesmo se associou. O caminhão para ele era além de um veículo, sua aspiração de ser chofer de caminhão nos aparentava ser mais que guiar um automóvel.
Ser caminhão é ser ponte, ser caminhão é ligar seu povo ao mundo, era levar vida à sua gente e aos seus. Essa metáfora do caminhão pareceu estar sempre viva no Professor Tomaz, durante a entrevista víamos e sentíamos o carinho que ele conduzia suas histórias, com a sensibilidade de querer contar por confiar no que estávamos fazendo; parecia uma confiança em ver um caminhão chegar sem saber quem vinha dentro ou quais coisas trazia ele, mas sabia que era uma chance para o novo, uma oportunidade de se construir pontes.
Em um momento que vemos meninos mimados do poder derrubarem conquistas que o povo preto construiu desde muito tempo (como o ex-ministro da educação ao revogar a MP que instituía a obrigatoriedade de cotas na pós-graduação), a notícia do falecimento do Professor Tomaz nos tomou de intensa dor.
Professor Tomaz, tenha certeza que seremos ponte. Tenha certeza de que continuaremos levando seus ensinamentos daquela tarde de conversa por muito tempo e que sua voz ecoará enquanto caminho para nós. Somos gratos!!! Áudio-lembrança em nosso IGTV

Foto por: @reiseovento

Apoiase

Apoie nosso projeto

Acreditamos muito na colaboração como forma de mudança da sociedade. Ajude doando alguns reais por mês, qualquer valor já ajuda e demonstra que você acredita na ideia!

Contribuir agora

Unidade entrevista: Novas Vozes”O que querem as Ruas?

CUFA e DATAFAVELA

Como o coronavírus está afetando a vida nas favelas
Relatório para Abril de 2020

Relatório CEPAL

Vídeos recentes

Carregando...

DOSSIÊ: ONDE ESTÁ A ESQUERDA NESTA CRISE?

Atravessar a quarentena

Atravessar a quarentena II